segunda-feira, 21 de abril de 2008

Julgamentos - Caso Isabella


Estava ontem assistindo à "Entrevista Exclusiva", dada ao Fantástico, pelo casal Alexandre Nardoni e Ana Carolina Jatobá, que esta semana foram indiciados pelo homicídio da menina Isabella. Meus sogros e minha namorada estavam na sala e durante as declarações acabamos fazendo comentários desde a atuação da polícia/perícia até a suposta acusação feita pela sociedade. A população brasileira, como sempre apresenta sinais de intolerância e pré-conceito. Claro, já estamos acostumados com exibições gratuitas de ódio e raiva, onde a população como um todo se coloca no papel de Juiz do mundo e quer fazer justiça com as próprias mãos, como no caso Suzane Von Richthofen.


Os comentários que tenho ouvido desde o inicio deste caso são nada mais que acusações contra o casal. Quanto à possibilidade de haver uma terceira pessoa no apartamento, em geral, a população alega que uma pessoa seria incapaz de matar de maneira tão brutal uma criança de apenas 5 anos, no entanto é aparentemente normal que o pai e a madrasta fossem capazes de tal ato. Foi dito que a mãe demostrou frieza no inicio das investigações e esta seria causada pelo choque da situação, da perda. A mesma frieza é vista nas declarações do pai de Isabella, mas para ele a explicação é que ele seria um assassino frio e calculista. Existem claramente opiniões controvérsias, por parte da sociedade, que não é capaz de analisar os fatos, pensar e tiram suas próprias conclusões. A sociedade brasileira é cruel. Não passam de expectadores de um circo de horrores, à espera de carne e sangue alheios. Pessoas que saem de suas casas, de seus trabalhos, para irem até o local do crime, ou até a casa dos parentes dos indiciados para gritar, berrar, tirar fotos. Será que podemos confiar no julgametno desta sociedade? Será que qualquer comentário de pessoas como estas é válido?


Assim como digo que não é papel da sociedade ou de qualquer outra pessoa julgar, também não é meu papél. A polícia/pericia, deixa evidente, desde o inicio das investigações, a falta de preparo, a falta de tato e principalmente a a falta de imparcialidade. Podemos confiar nesta polícia, que segue somente uma vertente para a solução do caso? Que praticamente já acusou o casal?


Analisando a entrevista, apesar de ter sido dito que os acusados eram estudantes de Direito, percebe-se claramente se tratar de pessoas leigas, que não sabem se expressar corretamente. um prato cheio para a policia, que na verdade não descobre nada, mas trabalha com base em suposições e contradições em depoimentos.


A mídia tem o papél de informar a sociedade sobre os fatos, mas tem o papél ainda maior de orientar, de ser também imparcial. Sou brasileiro e conheço a sociedade em que vivo, por esta razão, nada do que ninguem disser será válido e mesmo que no fim de tudo o casal seja eclarado culpado, ainda terei minhas dúvidas. A policia manteve várias informações em sigilo pora que a defesa não começasse a montar sua tese, mas quanto a outros pontos da investigção, não fizeram questão do sigilo.


Mas cada um que pense e reflita. São vidas que estão em jogo, famílias. É preciso ponderar muito sobre tudo. Muito cuidado nos julgamentos.

9 comentários:

Denise disse...

Na boa, já encheu o saco essa especulação sobre o caso da menina Isabella. Na minha humilde opinião a morte brutal de uma criança tem que causar revolta mesmo, mas essa sede de justiça do povão brasileiro bem podia ser canalizada para outras filha-da-putices que acontecem a torto e a direito por aí. Alguém levantou a bunda da cadeira quando saíram as denúncias da festa dos cartões corporativos, por exemplo? Não! O papel da mídia é ir atrás da fonte de audiência e ganhar dinheiro com isso, já se foi o tempo em que seu papel era informar e ser imparcial. E, desculpa ae os adêvogados desse Brasil, mas é por causa dessa classe de gente que a polícia não faz nada, que os jornalistas não trabalham, e que, principalmente, a justiça não rola. Fosse um casal de dentistas, já estariam presos, culpados ou não.

Lunna Guedes disse...

Assisti a tal entrevista e sinceramente me deu pena dos dois. Não acredito na hipótese de uma terceira pessoa no apartamento e não é pelo que a imprensa diz ou deixa de dizer.
Digo isso apenas porque há fatos sem respostas como por exemplo: onde o casal estava quando a criança foi jogada?
Não é a questão da polícia em si, mas eles repetiram a mesma coisa durante todo o tempo e se dizem inocente e não viram quem jogou a filha pela janela e lavaram uma fralda suja de sangue. São muitas coisas contradições.
Mas essa história toda já cansou. Não acredito na inocência deles, mas não concordo com a atitude das pessoas que estão acompanhando esse triste espetáculo.
O que eu me pergunto é se alguém está se preocupando com as crianças que estão vivas e que estão nas mãos dessas duas pessoas que mostram um visível desiquilibrio?

Lasombra Ribeiro disse...

Pois é...Pois é...

Vou começar a soltar a lavadeira dentro de mim...

* hemisfério norte disse...

muito bom!!!!!!
as vozes da sua cabeça produzem bem rsrsrs
Obrigada pelas visitas, volte sempre
bjs de Pt
a.
http://miniminimos.blogspot.com/

Linny. disse...

quero so que a justiça seja feita, pra mim qm faz mal, merece o pior.

obg pela passagem no blog.

bjus

Jamille Lobato disse...

Caso para especulações... nada concreto ainda.
Espero mesmo que seja feito justiça, seja quais forem os culpados.


PS: solta aê a lavadeira!!!

Gris disse...

Pergunta... Por que o Brasil ficou comovido? Um pouco de hipocrisia, acho eu, se pararmos para pensar, este não é e nem será o primeiro ou ultimo caso de violencia contra uma criança! A meu ver, só esta acontencendo todo este circo, pq a criança era classe media alta, branca, se fosse uma negrinha do cabelo ruim, ninguém estaria fazendo porra nenhuma!
Mais uma vez a historia se repete! Hipocrita unidos! Sociedade idiota! Com isso se faz um Brasil!

Paco * disse...

é.....

não sei como vc me adicionou num grupo em que aparecem TODOS seus recados, Lasombra, mas por favor me tire, ok?

obrigada

Paquinho

Denise disse...

Gristiel, entendo essa comoção hipócrita que você questiona como os dois lados da mesma moeda: o país da dancinha da impunidade se comove com um crime ou é a mídia que nos enfia as notícias de um crime goela abaixo incansavelmente tentando provocar essa comoção? Desconfio que a resposta está no fato de que propaga-se merda a quem quer ver merda. A notícia que der mais repercussão (e logo, as chances de mais investimento das empresas de publicidade) leva a melhor. Informar está em último plano. Desprovido de informação e mergulhado em sua burrice e hipocrisia praticamente “naturais”, o povo desponta em preconceito e amenidades. Basta comparar quantos brasileiros se interessam pela vida das celebridades com quantos se interessam por política. Mas aí caímos na questão: a imprensa é ruim porque o povo é burro ou o povo é burro porque a imprensa é ruim? Quem nasceu primeiro, o ovo ou a galinha?
Isso sem falar nos adêvogados, que manipulam a justiça quanto quiserem para encher o rabo de dinheiro. Pensam e agem como os próprios assassinos.